Você conhece todos os tipos de gripe?

O que é?

A gripe é uma doença comum, causada pelo vírus chamado Influenza descoberto em 1933. Ao longo da história, já ocorreram sérias epidemias como a asiática, espanhola e a de Hong Kong.

Com isso, mais de 1,5 milhões de pessoas morreram e – atualmente – houve uma evolução da doença. Hoje, ela não é considerada uma doença alarmante, apesar de ser altamente contagiosa; os tratamentos são simples e acessíveis.

Além disso, existem diversos métodos preventivos, desde dicas básicas para a não contaminação até as vacinas.

Seus sintomas podem variar, mas geralmente ocorre a presença de febre entre 38ºC e 40ºC; fadiga; perda de apetite; dor de garganta; coriza; tosse; dores musculares; e calafrios.

Você sabia? A diferença entre um resfriado e uma gripe é apenas a intensidade de seus sintomas.

Ambas as doenças afetam o sistema respiratório causando febre, tosse, fadiga geral, dores no corpo e congestionamento nasal. Todavia, apenas a gripe pode desencadear sinusite, pneumonia, infecção de ouvido e sepse.

 

Quais as causas?

A gripe é uma doença viral, portanto sua transmissão se dá, na maioria dos casos, pela inalação de partículas contaminadas em suspensão no ar.

Os surtos mais recorrentes, chamados de gripe sazonal, ocorrem em estações como o inverno justamente por isso. É comum que nessa época as pessoas fiquem em ambientes fechados, os quais podem transmitir facilmente doenças pelo ar compartilhado.

Além disso, os vírus têm maior resistência em temperaturas baixas e ar seco. Outro modo de transmissão é o contato direto com uma pessoa que já esteja gripada.

 

Entendendo o sistema respiratório

Nosso sistema respiratório é o lugar mais afetado em termos de gripes e resfriados. Recebe o nome de Trato Respiratório tendo a parte superior, fora da cavidade torácica, e inferior, dentro da cavidade torácica.

Parte Superior

  • Nariz: formado por seios paranasais;
  • Faringe: auxilia tanto na passagem para o sistema digestivo quanto para o respiratório;
  • Laringe: local onde se situam as cordas vocais, formada por paredes membranosas e cartilaginosas;
  • Parte superior da traquéia;

Parte Inferior

  • Parte inferior da traqueia;
  • Brônquios: tubos cartilaginosos que permitem a passagem do ar;
  • Bronquíolos: tubos cartilaginosos que conduzem o ar;
  • Alvéolos: entra o sangue venoso (contém gás carbônico), que se transformará em sangue arterial (rico em oxigênio);
  • Pulmões: órgãos de respiração situados na cavidade torácica, formado por alvéolos;
  • Pleura: membrana que reveste os alvéolos e parte do tórax;
  • Músculos que formam a cavidade;

 

Mas afinal, quais são os tipos de gripe?

Os tipos de gripe são classificados diante da combinação entre duas proteínas: Hemaglutinina (HA ou H) e Neuraminidase (NA ou N).

A doença se subdivide em tipos A, B e C.

Gripe A

Dentro do grupo de Influenza A estão o H1N1, H3N2, H5N1 e H7N9. Os dois primeiros tipos são de origem suína e circulam atualmente em humanos, se diferindo dos dois últimos citados, que são de origem aviária e menos comuns.

A infecção se dá pelo trato respiratório, local onde o vírus se multiplica devido à responsabilidade da proteína N da liberação das partículas virais, na superfície da célula.

O mais conhecido em termos de proliferação, aqui no Brasil, é o vírus H1N1. A doença demora de 1 a 4 dias para se manifestar e, além dos sintomas da gripe convencional, possui sintomas como insuficiência respiratória, falta de ar, náuseas, vômitos e diarreia.

Já o vírus H3N2 vem se adaptado às condições humanas há décadas. Por essa razão, ele acomete pessoas em extremos de idades como idosos e criança, podendo apresentar complicações e necessidade de internação.

 

Gripe B

O potencial desse vírus para causar epidemias é pequeno, devido sua menor variabilidade e evolução lenta. Diferente do vírus tipo A, não foram encontradas epidemias em animais, sendo exclusivo de humanos, apesar de seus modos de contágio serem iguais.

Seus sintomas também são febre alta, tosse, mal-estar, dores de cabeça e dores musculares.

Dentre suas complicações específicas e raras estão miocardite e encefalites.

 

Gripe C

Este vírus, por sua vez, pode causar problemas ou infecções respiratórias variando de graus leves aos mais alarmantes. Raramente há casos de epidemias com o tipo C.

 

Dicas

Nessa seção separamos algumas dicas que podem ajudar você a amenizar os sintomas que essa condição pode causar. Confira a seguir:

  • Ficar de repouso;
  • Ingestão de líquidos para hidratar o corpo;
  • Alimentação leve dando preferência à frutas;
  • Apostar em chá de equinácea, que favorece a formação de nossos glóbulos brancos (células de defesa do corpo);

 

O tratamento ideal

Com o agravamento dos sintomas, há riscos da doença se desenvolver para possíveis pneumonias, infecções de ouvido, sepse e sinusite. Os tecidos respiratórios do corpo ficam inchados e inflamados; a partir disso, o vírus entra para a corrente sanguínea, resultando em sintomas.

Caso o sistema imunológico não responda com eficiência, problemas mais sérios podem ocorrer. Por essa razão, se não houver sinais de melhora em até 5 dias, com o uso de medicamentos e dicas de repouso, procure um médico!

É importante a procura do médico nessas condições, pois muitas vezes, uma gripe pode ser sinal de outras condições que podem ser perigosas. Fique atento!

 

Medidas Preventivas

Evite o contato com pessoas contaminadas; sempre cubra a boca e nariz ao espirrar; evite tocar nos olhos; higienize objetos pessoais; e lave as mãos. Estas são medidas simples para se distanciar de uma possível complicação do gênero.

A fim de prevenir estágios mais agravantes que essa doença pode desencadear é recomendável a vacina contra os três tipos de vírus.

Lembre-se de levar seu documento de identificação e cartão de vacinação!

 

Liz Uyesaka

Liz Uyesaka

Estudante de Design Digital, começou a escrever artigos para mídias sociais logo no início do colégio. Apaixonada por escrita, tem como objetivo informar e trazer o melhor conteúdo para a plataforma da Vitta!

Deixe o seu comentário