O que é

Podemos caracterizar a dor como sendo um sentimento angustiante que causada estímulos intensos ou até mesmo prejudiciais – como queimar uma parte do corpo, bater o dedinho do pé e entre outros.
É bastante complexo definirmos essa condição, mas a mais ampla e atual diz que ela é “uma experiência sensorial e emocional desagradável, associada ao dano tecidual real ou potencial, ou descrita em termos de tais danos”. Bem complexo, não acha?
Por muitas vezes, no meio médico, ela é considerada como um sintoma de uma condição primária – sem contar que é responsável mais comum pela maioria das consultas médicas.
O nosso cérebro é um dos órgãos incapazes de sentir qualquer tipo de algia. A explicação para esse fato é que, como o cérebro é fundamental para a vida do organismo, essa sensação poderia levá-lo a morte imediatamente. É por isso que a membrana que o recobre – que chamamos de meninge – é repleta de nociceptores. Ela é o órgão mais próximo de um “cérebro” capaz de sentir dores.

Como classificá-las?

Nós podemos classificar as dores em vários tipos, mas separamos alguns que achamos importantes e fundamentais para caracterizarmos uma dor. Entre elas temos:

Crônica

Caracterizada por um longo período – geralmente mais de 3 meses – e que pode debilitar, exigindo uma maior atenção por parte de quem está sentindo. Os exemplos mais comuns são câncer, artrite e gota.

Aguda

É aquela que se manifesta por um breve período e pode ser facilmente detectada. Ela muitas vezes é como um sinal de alerta para cólicas, inflamações, lesões e outras doenças.

Somática

Quando a origem está localizada nos tendões, ligamentos e ossos. É uma região com diversos nociceptores, o que acaba gerando uma algia localizada por muito tempo. Os exemplos comuns são ossos quebrados e torções de músculos.

Visceral

É quando se encontra em órgãos e cavidades internas do corpo. A sensação pode ser intensa e ser difícil de localizar. Em casos de ataques cardíacos, a pessoa pode sentir fortes dores nos braços, estômago e ombros.

Cutâneas

São bem localizadas e possuem uma duração breve, um exemplo disso são os cortes superficiais e queimaduras de primeiro grau.

Tipos comuns de dor

De cabeça

Uma dor de cabeça pode ser um sinal de estresse, de sofrimento emocional, de distúrbio médico, enxaqueca, pressão alta, ansiedade ou depressão. Na maioria dos casos, o desaparecimento do incômodo ocorre por conta própria, não sendo um sinal de algo mais sério.
Apesar de algumas dores de cabeça serem leves, em muitos casos, elas podem causar um desconforto intenso que dificulta a concentração no trabalho e a realização de outras atividades diárias. Felizmente, a maioria das dores de cabeça pode ser controlada com medicação e mudanças no estilo de vida. Os médicos, ao longo dos anos, identificaram várias causas diferentes para esse incômodo.

De garganta

Bastante recorrente para algumas pessoas, principalmente no frio, a dor de garganta é um sintoma de alguma doença infecciosa, provocada por vírus ou bactéria, que atinge os órgãos de defesa contra infecções. Apesar de parecer simples e habitual, a dor de garganta necessita de atenção.
Antigamente, a retirada das amígdalas era bastante comum (com certeza alguém próximo ou de sua família já realizou esta operação). Hoje em dia, este procedimento ainda é feito, mas só quando a inflamação é muito recorrente (em torno de 5x ao ano) e quando o inchaço é tão grande que dificulta a respiração. A maioria das dores de garganta é causada por infecções ou por fatores ambientais, como o ar seco. As dores de garganta são divididas em tipos, com base na parte da garganta que afetam, como a Faringite, Amigdalite e Laringite

Muscular

Aquela famosa dor muscular é algo bastante recorrente entre a população, tendo como principais sintomas a algia intensa próxima a articulações, fraqueza muscular e dificuldade de movimentação na área afetada.
Em caso de dores mais agudas, se encaixam possíveis fibromialgia, infecções, doenças autoimunes, uso de medicamentos que inibem a ECA (enzima conversora de angiotensina) que causam efeitos colaterais, drogas estimulantes como a cocaína e problemas na tireoide como hipertireoidismo ou hipotireoidismo.
A má postura frequente também pode tensionar seus músculos causando algia muscular. Posturas não naturais prejudicam nossos tecidos, como: sentar-se inclinado na cadeira; usar salto alto; e se apoiar nos queixos. Preste sempre atenção em sua postura para que isso não te comprometa no futuro!

Nas costas

O dorso humano é composto por uma estrutura complexa de músculos, ligamentos, tendões, discos e ossos que trabalham juntos para apoiar o nosso corpo e permitir a locomoção. Muitas pessoas, no mundo todo, sofrem alguma vez na vida com alguma dor nas costas. Na maioria dos casos, essa condição não é causada por nada grave e melhora com o tempo.
Em alguns casos, no entanto, essa condição pode representar algo mais sério e até mesmo indicar um sintoma de alguma doença. Para não tirar conclusões precipitadas, é sempre recomendado consultar um médico especialista e tratar as dores com um acompanhamento de um profissional.
No caso das dores comuns, existem algumas coisas que você pode fazer para ajudar no alívio imediato e a curto prazo. Todavia, a algia pode durar muito tempo ou ter certa recorrência.

De dente

Uma dor de dente é um incômodo na boca que pode ser causado por diversos fatores como: cárie; dente abscesso; fratura; enchimento danificado; infecção nas gengivas; movimentos repetitivos com chicletes; ou até mesmo moer os dentes.
É uma dor que pode ser aguda, latejante ou constante. Em algumas pessoas, essa algia só ocorre quando se aplica pressão ao dente.
As dores de dente ocorrem por conta da inflamação da polpa do dente (popularmente conhecida como canal ou nervo).
A polpa contém terminações nervosas que são muito sensíveis à dor. A inflamação na polpa – ou pulpite – pode ser causada por qualquer coisa que tenha contato com o dente, como as cáries, gengivite e sensibilidade à temperatura.